Formação Sindical

Observatório Emprego

Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Agenda Sindical

 

 

13 de Julho a 31 de Dezembro de 2018:

Greve (às horas fora do horário de serviço) dos Oficiais de Justiça, pelo reconhecimento e valorização do trabalho prestado fora do horário de serviço, pelo reforço do quadro de Oficiais de Justiça, entre outras reivindicações.

Fonte: SOJ

20 de Dezembro (por tempo indeterminado):

Greve (de duas horas) na Setofresa & Associados, empresa metalomecânica na Mitrena (Setúbal), para exigir o aumento dos salários e do subsídio de refeição e a melhoria das condições de trabalho.

Fonte: FIEQUIMETAL


16 de Fevereiro:

Vigilia dos guardas prisionais do Estabelecimento Prisional de Lisboa, contra a má gestão e falta de organização da direção dos serviços prisionais.

16 de Fevereiro:

Concentração de docentes, trabalhadores não docentes e investigadores junto à reitoria da Universidade de Aveiro, promovida pelo SPRC, ABIC e STFPS-Centro, em protesto contra a recusa de regularização do vínculo precário.

Fonte: FENPROF

19 de Fevereiro:

Greve dos trabalhadores da CP-Comboios de Portugal, EPE, pela negociação efectiva de um Regulamento de Carreiras que dignifique e valorize os trabalhadores com baixos salários.

Fonte: FECTRANS

20 de Fevereiro:

Greve e manifestação nacional dos trabalhadores da EMEF, em defesa  da  empresa,  dos  postos  de  trabalho,  dos  interesses  do  País  e  do  caminho  de  ferro  público.

Fonte: FECTRANS

23 de Fevereiro:

Greve geral em todas as empresas do grupo CTT e manifestação de trabalhadores, utentes e população, por medidas que reponham a normalidade no serviço público e universal de correios e para que os CTT voltem a ser uma empresa sob a responsabilidade do Estado Português.

Fonte: CGTP-IN

23 e 26 de Fevereiro:

Greve (pré-aviso) dos trabalhadores da EVA – Empresa de Viação do Algarve – do grupo Barraqueiro, em defesa do AE e pela reivindicação de aumento de salários.

Fonte: FECTRANS

 

contra a imposição de alterações ilegais de horários de trabalho